You are visiting a website that is not intended for your region

The page or information you have requested is intended for an audience outside the United States. By continuing to browse you confirm that you are a non-US resident requesting access to this page or information.

Switch to the US site

Este site utiliza cookies

Ao continuar usando este site, você aceita o uso de cookies. Para obter mais informações sobre cookies e a maneira como os usamos, veja nossa Política de Privacidade.

Novas ideias em acesso para diálise

Globalmente, mais de 2 milhões de pessoas recebem tratamento para diálise ou estão aguardando um transplante de rim. Para esses pacientes, o tratamento se enquadra em três tipos de acesso: fístula, enxertos e cateteres (cateter venoso central).

Por que alguns médicos estão dizendo "Cateter por último"

A "Fístula como primeira iniciativa" permanece sendo o padrão de cuidados ao redor do mundo. Contudo, essa recomendação não é adequada a todos os pacientes; os operadores recorrem a cateteres venosos centrais (CVCs) em segundo lugar e, por último, aos enxertos sintéticos. Publicações vêm mostrando um aumento em complicações severas associadas a CVCs, resultando em uma mudança de paradigma para "Fístula em primeiro, cateter por último". Enxertos capazes de canulação prematura são uma opção viável para evitar complicações relacionadas ao cateter.

Saiba por que enxertos são uma ótima 1ª ou 2ª opção para canulação prematura

Uma opção de canulação prematura que não seja um cateter venoso central (CVC)

Às vezes, a fístula não é uma opção. Mesmo os médicos mais habilidosos precisam de uma prótese projetada para suportar canulação com agulha repetidas vezes, sem as complicações tradicionalmente associadas aos enxertos de ePTFE convencionais. O suor do enxerto de ePTFE tradicional, pseudoaneurisma e tempos de maturação de duas a quatro semanas da fístula na canulação são os motivos pelos quais muitos recorrem a cateteres CVC. Ao contrário dos enxertos tradicionais, as publicações demonstram que o Flixene pode ser canulado em 24 a 72 horas, enquanto mantém taxas de desobstrução comparáveis às dos enxertos de ePTFE que tenham recebido de 2 a 4 semanas de maturação.  Combinado com o GDS - Graft Deployment System (Sistema de Implementação de Enxerto) próprio da Getinge, o Flixene está mudando os cuidados com os pacientes em todo o mundo.

Leia mais sobre canulação prematura

Técnicas ideais para canulação de acesso arteriovenoso

Uma manutenção adequada no local e procedimentos de acesso adequados são essenciais para manter a patência e fornecer aos nossos pacientes o nível de serviço de que eles precisam.  Você está praticando as técnicas corretas para determinar o local de acesso, a preparação, o posicionamento da agulha e o fluxo sanguíneo?  Quais são os sinais de que o seu paciente está bem ou que precisa de ajuda?

Siga o método Perguntar, Observar, Ouvir, além das orientações da KDOQI

Dados publicados sobre um enxerto de ePTFE que permite canulação no braço em dias, não semanas

O estudo compara os resultados clínicos de 108 pacientes que receberam um dos três seguintes tipos de acesso no braço; fístula arteriovenosa braquiobasílica transposta (BBAVF), acesso arterial venobraquial autógeno (ABBA) e enxerto vascular de ePTFE Flixene (AVG). Embora o BBAVF permaneça como padrão ideal de cuidados para a maioria dos pacientes, os autores observaram resultados gerais comparáveis para pacientes de AVG e resultados melhores para alguns pacientes que receberam AVGs.

Leia mais sobre acesso no braço utilizando enxerto de ePTFE