You are visiting a website that is not intended for your region

The page or information you have requested is intended for an audience outside the United States. By continuing to browse you confirm that you are a non-US resident requesting access to this page or information.

Switch to the US site

Select Your Country or Region
Enviar

Notícias

Pioneiros no uso da sala de cirurgia híbrida no México

Pioneiros no uso da sala de cirurgia híbrida no México

A sala de cirurgia híbrida do Hospital Puerta de Hierro de Guadalajara, no México, permite realizar intervenções minimamente invasivas em diversas especialidades. Conheça o Dr. Benigno Ferreira Piña, cirurgião cardiovascular e principal impulsionador deste inovador projeto.

Quando regressou ao México, seu país de origem, após um período no Centro do Coração da Universidade de Leipzig, na Alemanha, o Dr. Ferreira tinha o desejo de criar um lugar que combinasse diversas especialidades e o uso de tecnologias de vanguarda para realizar uma ampla gama de procedimentos minimamente invasivos.

Ele queria implementar um conceito que unisse a sala de cirurgia e a sala de intervenções não cirúrgicas com dispositivos de última geração e alta definição que permitam obter imagens em tempo real.

“A partir desta abordagem flexível, podemos oferecer um tratamento seguro aos pacientes que não podem se submeter a uma cirurgia convencional”, explica o Dr. Ferreira. “Quando introduzimos a ideia em 2018, o inovador conceito de sala de cirurgia híbrida já estava consolidado em outras partes do mundo, o que ajudou na diminuição do tempo de cirurgia, na rápida recuperação do paciente, na diminuição de reoperações e possibilitou uma maior precisão”.

A sala de cirurgia híbrida de Guadalajara foi inaugurada em 2019, atendendo inicialmente cirurgias cardíacas, intervenções vasculares e neurocirurgias.

“Pouco a pouco aumentamos o nosso escopo e atualmente também realizamos cirurgias de coluna, urológicas e hepáticas, procedimentos ginecológicos, como embolias e miomas, bem como intervenções de resgate em partos”, recorda o doutor Ferreira, que também considera a sala de cirurgia híbrida como um salto qualitativo no campo de procedimentos minimamente invasivos, que permitem novas opções de tratamento, por exemplo, na área da oncologia.

Uma parceria de sucesso

A sala de cirurgia híbrida do Hospital Puerta de Hierro é o resultado de uma parceria consolidada entre a Getinge e um de seus sócios no setor de imagem médica, que abrange desde a concepção do projeto até a implementação das salas de cirurgias híbridas personalizadas.

A estrutura inclui uma mesa cirúrgica da Getinge, que permite colocar os pacientes em diferentes posições, sem a necessidade de movê-los. Um arco unido a um braço robótico facilita a obtenção de imagens de qualquer parte do corpo, assim como o uso da oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO).

“Trabalhamos durante dois anos para colocar em andamento este projeto pioneiro no Hospital Puerta de Hierro”, afirma Marisol Escudero, especialista de produto da Getinge. “Criar uma sala de cirurgia híbrida é um processo complexo, desde a escolha do equipamento mais adequado às necessidades do hospital até a garantia da sincronização perfeita dos sistemas envolvidos”.

O número de salas de cirurgia híbridas está crescendo em todo o mundo, o que implica em uma maior demanda de especialistas em cirurgias minimamente invasivas. Para atender a esta demanda, a Getinge tem desenvolvido programas de formação em conjunto com seus sócios no setor de imagens.

“Uma equipe multidisciplinar em uma sala de cirurgia híbrida fomenta o desenvolvimento de especialistas com novas habilidades que potencialmente podem melhorar as técnicas cirúrgicas e contribuir com o avanço do atendimento ao paciente”, explica Marisol Escudero.

Compartilhar: